Reitoria da UFSC estuda diminuir número de refeições e congelar bolsas por conta de cortes no orçamento

Medidas devem começar a valer a partir da semana que vem. MEC anunciou em abril corte de 30% na verba para universidades e institutos federais.

Universidade Federal de Santa Catarina prepara novo pacote de cortes. Foto: Reprodução

A Reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) estuda medidas como diminuir o número de refeições no Restaurante Universitário (RU) e congelamento de bolsas para acomodar os cortes na verba anunciados pelo Ministério da Educação (MEC) em abril. As medidas devem começar a valer a partir da semana que vem.

Por nota, o Ministério da Educação afirma que está em conversa com o Ministério da Economia e que o repasse dessa verba depende de uma melhora da situação financeira do país no segundo semestre. Também disse que o ministério vem repassando um pouco da verba para as instituições que comprovam que têm dívidas.

As medidas da UFSC foram apresentadas na terça-feira (27) pela Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis ao Sindicato das Universidades Federais de Santa Catarina (Apufsc), ao Sindicato de Trabalhadores em Educação das Instituições Públicas de Ensino Superior do Estado de Santa Catarina (Sintufsc) e ao Diretório Central de Estudantes (DCE).

Medidas

No RU, o uso do restaurante deve ser restrito aos estudantes que possuem isenção por questões socioeconômicas. O local passaria a servir entre 2,5 mil e 3 mil refeições. Atualmente, são cerca de 14 mil.

Outra medida é a suspensão do repasse mensal feito para os centros de ensino. Desde junho, o repasse já havia sido reduzido em 30%.

Também pode haver o cancelamento da Semana de Ensino Pesquisa e Extensão (Sepex), que é um dos maiores eventos de divulgação científica do estado. Ela ocorreria em outubro e costuma trazer 60 mil pessoas para o campus da UFSC em Florianópolis.

Por fim, há o congelamento das bolsas de estágio, extensão e monitoria. As que ficarem vagas a partir de setembro não serão repostas.

Com as medidas, a Reitoria espera economizar mais R$ 2 milhões por mês. Desde junho, a UFSC já adotou medidas de redução de gastos. Com elas, a instituição tem conseguido economizar 1,2 milhão por mês cortando custos como combustível. Nesse cenário, conseguiria manter a universidade com cerca de R$ 9 milhões mensais.

As medidas devem ser apresentadas a toda a comunidade acadêmica na quinta-feira (29) às 13h30 no campus de Florianópolis.

Cortes

O Ministério da Educação foi alvo de dois contingenciamentos neste ano, determinados pelo governo federal como forma de enfrentar a crise econômica. Em março, foram bloqueados R$ 5,8 bilhões. Em abril, o MEC anunciou o bloqueio de 30% da verba das universidades e disse que poderia liberar o dinheiro se a economia fosse retomada ou a reforma da previdência fosse aprovada. Em julho, outro decreto bloqueou R$ 348,47 milhões da pasta.